VENDO MOTOR HOME IVECO SANTO INÁCIO 2015

9314921b-d672-4da6-bc0f-7b25e1c34514

Motorhome Santo Inácio Modelo 8.5-Si.
Medindo 8.50m, capacidade para 6 pessoas.
Ano 2015 e montagem 2015.
Iveco 70-C17, vidros elétricos, trava elétrica.
Ar condicionado.
Com 40.800 Km.

Opcionais instalados:

• Slide-out (sala expansível), levando a sala e geladeira;
• Quatro sapatas hidráulicas;
• Televisor de LED 27’’ no quarto;
• Televisor de led 27 na tulha externa;
• 2 luzes de leitura no quarto e uma na sala;
• Câmera de ré com monitor LCD na cabine;
• Sensores traseiros de estacionamento;
• Toalheiro elétrico;
• Válvulas elétricas para água servida e detritos;
• Escada retrátil com iluminação;
• Pintura especial externa com para-choques e espelhos;
• Rodas de alumínio;
• Toldo externo importado dometic;
• Cozinha externa com fogão a gás;
• Forno a gás importado;
• Churrasqueira a gás com espeto giratório;
• Máquina de lavar roupas electrolux 3kg;
• Kit multimídia.

*Somente venda: R$460.000,00*

Contato:
Rafael Cordeiro – rafaelcordeiro@moveisdolar.com.br
(42) 4063-9249 / (42) 3125-0160 / (42) 9926-5145

2e9e4dd9-5a10-4e27-99fe-2c518369803e 5e24a2af-2cad-42cb-bee4-4553ee2a889a 5e596f69-66fd-48a0-8d22-4efaf70ef389 57bb4252-4159-49cf-a066-b30ddf3e2b62 95541541-ff9f-4407-9e6f-4bcddf6c969d b7b14526-03f6-453f-9359-fc498056cff2 b37a3f27-23cb-4477-8baa-90ef47e75801 b92c53d5-17e5-4314-8b9f-c1a23cdeb7d0 c1daaa48-206d-462c-8fcf-11106088a49f

TOCA PRESENTE NA EXPO MOTORHOME SHOW 2017

EXPO MH 19

Como não poderia deixar de ser, dirigentes e Associados da TOCA estiveram presentes nesse grandioso evento realizado em Novo Hamburgo-RS, onde os expositores mostraram as novas tendências para o campismo e caravanismo.

Os motorhomes e trailer foram uma atração a parte, mas Camper e barracas de diversos modelos também marcaram presença. Vários fornecedores de materiais de reposição e serviços estavam a disposição dos campistas, ofertando o que tem de melhor e mais moderno no seguimento.

EXPO MH 1

O Brasil ainda não está no ranking dos grandes eventos que versa sobre essa atividade, mas tem potencial para se tornar um entre os maiores. O turismo interno tem expectativa de crescer e, hoje pessoas já veem o quanto é salutar o cultivo ao ócio, após longos anos de labuta.

A cada dia cresce a vontade de se empreender na fabricação artesanal de um veículo de Recreação. Entretanto, o Estado edita Resoluções proibitivas para transformação de uma simples VAN num motorhome.

Obviamente, seguindo as regras de segurança e, tendo a inspeção de órgãos fiscalizadores, uma empresa estabelecida poderia fazer tal transformação, mas a exigência do CAT anula tal prática.

EXPO MH 3

São muitas as opiniões sobre o assunto, mas na década de 70 e 80 quando os primeiros RVs rodaram no Brasil, ainda hoje alguns estão funcionando em plenas condições.

Associados da TOCA presentes no evento:
Luiz Guilherme e família
Benil Teixeira e família
Aldemir e família
Durval e família
Moacir e família
Darcy e família
Edval e família
Entre outros.

Segue o vídeo do lançamento da primeira van da Santo Inácio MB Sprinter 415 – 6.9 SI na Expo Motorhome Show 2017:

https://www.youtube.com/watch?v=WisscQ-MNzE&feature=youtu.be

EXPO MH 2 EXPO MH 4 EXPO MH 5 EXPO MH 6 EXPO MH 7 EXPO MH 8 EXPO MH 9 EXPO MH 10 EXPO MH 11 EXPO MH 13 EXPO MH 14 EXPO MH 15 EXPO MH 16 EXPO MH 17 EXPO MH 18 EXPO MH 20 EXPO MH 21 EXPO MH 22

23º ANIVERSÁRIO DA TOCA FINALIZA COM GOSTINHO DE QUERO MAIS

foto toca 1

Com muito amor e dedicação, a Diretoria da TOCA, seus Associados e Amigos de outras Congêneres comemoraram os 23 anos da Associação Capixaba dos Proprietários de Veículos de Recreação no pátio da AFEMOR – Associação Festa do Morango – MORANGÃO – no Distrito de Pedra Azul – Domingos Martins – ES.

Diga-se de passagem, que não tivemos público de cem, duzentos ou mais Campistas, bem como o número de equipamentos não ultrapassou a casa dos cinquenta, mas tivemos o privilégio de termos oitenta e oito Campistas num total de quarenta e dois motor casas, num ambiente tranquilo com água potável e energia elétrica para todos, podendo os aparelhos de ar condicionado ficar ligados as 24hs00. Não que isso tenha acontecido, mas a nossa preocupação foi e, sempre será o bem estar de todos.

Assim é que do dia 11 ao dia 16 de outubro de 2017, muitos se confraternizaram e, alguns saíram do evento mais contentes, pois ganharam no bingo, brindes valiosíssimos tais como tapetes ecológicos, fritadeira elétrica entre outros.

A programação foi inteiramente cumprida com os seguintes “comes & bebes”:

Dois fogões sobre rodas, à lenha, para polenta, queijo e linguicinhas fritas, que atendeu a demanda tranquilamente, além do chope da Itaipava bem geladinho, refrigerantes e água mineral, isso na quinta-feira – 12/10;

O dia de sexta-feira – dia 13/10 – começou com um excelente café da manhã completo, estilo Colonial. Noite de caldos (variados) incluindo chope, refrigerantes e água mineral;

O sábado – dia 14/10 – também começou com café colonial servido no sistema self-service até as 10hs00 e, por volta das 12hs30, ao som de uma boa música ao vivo, o tradicional churrasco de picanha e linguiça, arroz, feijão tropeiro e outras especiarias fez com que os convidados se deliciassem com aquele chopinho gelado. A tradicional “Noite de Queijos & Vinhos” da TOCA foi o ponto alto do 23º aniversário, onde os Associados e Convidados cantaram e homenagearam os aniversariantes presentes para os “Parabéns pra você” com o corte do bolo e distribuição para as mesas o vinho de sua preferência, a disposição na nossa adega.

O domingo – dia 15/10 – mais um café colonial servido aos presentes, dando assim por encerrada a festa de aniversário.

Àqueles que não gostam de viajar no domingo, tiveram mais um dia no local da festa, saindo todos no dia 16/10 – segunda feira.

Alguns dos nossos Convidados tiveram a oportunidade de conhecer a região (Rota do Lagarto, Pedra Azul, Venda Nova do Imigrante, festa da Polenta) entre outras coisas.

foto toca 2

Agradecemos aos nossos patrocinadores Santo Inácio, Motor Trailer, Oficina SME, Hot Tape, Sistermi, Benil Motorhome, Ziebart, entre outros, a contribuição deles foram primordial para o sucesso do nosso evento.

Esperamos que dentro das nossas possibilidades, pudemos satisfazer a todos e oferecer o melhor possível, acreditando que somente assim poderemos melhorar o nosso convívio com todos que nos são caros.

Para relembrar a nossa festa, confira todas as fotos dos nossos “fotógrafos” de plantão:

https://photos.app.goo.gl/vrXhYUOOlQRbVD7I3

VIAJAR EM UM MOTORHOME É SER ACOLHIDO EM QUALQUER LUGAR DO MUNDO

VIAGEM PELO MUNDO MOTORHOME 2

Ela sempre gostou de viajar. Se fosse para viver suas aventuras em acampamentos, melhor ainda. Por muitos anos, esse foi seu hobby preferido. Ao tornar-se budista, a jornalista Nadja Sampaio passou a ter novos propósitos com suas viagens. Junto disso veio o desejo de, além de uma simples barraca, passar a viver ao volante essas suas experiências aventureiras com mais independência e segurança. No ano de 2001 ela fez adaptações em uma Kombi para poder viajar e dormir a bordo do veículo. E assim teve início sua vida sobre rodas. No entanto, foi em 2013 que Nadja realizou seu grande sonho: comprou uma caminhonete e, ao levar cama, sofá e fogão para dentro dela, transformou o veículo em uma casa. Ou melhor, em um motorhome. E foi como se tivesse obtido um passaporte para a felicidade.

– Eu viajo em busca da reflexão. Sempre tenho como foco participar de alguma reunião do budismo, onde quer que eu esteja. Quando não é possível, sigo praticando e ensinando meu mantra, com o objetivo de levar felicidade às pessoas. Algumas já seguem ou passam a seguir, e então acabo mantendo contato com elas depois. Mais do que qualquer outra coisa, é isso que me move a fazer essas viagens.

VIAGEM PELO MUNDO MOTORHOME

Neste momento as irmãs Nadja e Lola estão em mais uma aventura, pela América do Sul. O desapego é um dos mais importantes ensinamentos budistas. Quando passou a assimilar totalmente as crenças e práticas da religião, Nadja mudou muito sua vida, o que coincidiu com o início das viagens em seu motorhome. Nesse tempo, ela ainda tomou a decisão de dividir fisicamente seu apartamento no Rio em dois, e alugar boa parte dele.

– Fiz uma entrada independente para a área de serviço que, junto com o quarto auxiliar, passou a ser a minha casa. Na realidade, eu escolhi viver fixamente em um lugar bem menor do que meu motorhome – esclarece a jornalista.

Já adaptado e regularizado junto aos órgãos oficiais, o motorhome fica guardado dentro de um estacionamento, quando não está rodando com sua dona, em uma das quatro viagens anuais que faz. Para Nadja, o custo de manutenção do veículo não é baixo, mas ela garante que muitas vezes fica bem mais em conta do que viajar de avião, por exemplo:

– Hoje, com seis mil reais, dá para fazer uma bela viagem de carro pela América do Sul por 1(um) mês, com tudo incluído. Se fosse de avião, certamente gastaria mais, porque além da passagem teria que pagar hospedagem e alimentação em restaurantes. No motorhome consigo, se eu quiser, fazer minhas refeições como se estivesse em casa.
Estar a bordo de um motorhome permite paradas e estadias em paisagens surpreendentes Foto: Arquivo pessoalAo longo dessas quase duas décadas de experiência na estrada, Nadja revela que o mais importante é ter disposição para ultrapassar alguns obstáculos.

– Viajar de motorhome não é nenhum problema, mas precisa ter disposição para enfrentar quase tudo, e até mesmo algumas vezes dormir na rua. Não tenho medo e nada de grave aconteceu comigo até hoje. Nunca fui assediada nas estradas ou me senti ameaçada por algo violento. Pelo contrário, no Brasil, há postos de combustíveis com infraestrutura para atender aos viajantes. A bomba para abastecer e a altura do telhado do posto dão total segurança aos veículos mais altos.

Há quase 17 anos sentindo o vento entrar pela janela do motorhome, Nadja acumula em seu currículo, passagens por dezenas de cidades do Nordeste e Sul do Brasil, além da experiência em dirigir até o Ushuaia, na Argentina. Apesar de já ter contado com a companhia das filhas e de amigos, ela afirma que seu maior desafio sempre foi encontrar pessoas que quisessem ou pudessem viajar com ela por períodos mais longos. Foi assim, até conseguir trazer sua irmã Lola, de Feira de Santana, na Bahia, para acompanhá-la nessas aventuras. Nadja acabou de sair com ela do Rio, onde as duas moram atualmente, rumo a países da América do Sul, como Paraguai, Chile, Argentina e Uruguai. O trajeto está totalmente traçado e o objetivo é retornar ao Brasil somente em dezembro.

– Minha irmã, que é artesã, se adaptou tão bem ao motorhome que agora até pretende morar em uma Kombi, para que nada mais a prenda e assim consiga viajar e ao mesmo tempo vender suas peças por onde passar. Acho que fiz uma discípula nessa história, diverte-se Nadja.

Com tanta experiência,ela conta que o segredo para uma viagem bem-sucedida é ter planejamento. E, claro, estar bem assessorada em relação a assuntos que não conheça bem. Por isso ela se tornou sócia da Associação Nacional de Campistas, uma organização voltada para defender os interesses dos campistas e caravanistas.

– Antes de qualquer coisa, escolho qual vai ser o ponto final da viagem. A partir daí, vejo mapas, traço rotas, calculo os custos que terei com combustível, faço uma vistoria geral no meu motorhome e aí, sim, pego a estrada. Como sou muito organizada, anoto tudo em uma planilha para não ter problemas depois. A viagem tem que ser prazerosa, porém controlada, e assim não acabar virando um pesadelo.

Apesar de carregar tanta beleza natural e uma cultura tão diversificada, o Brasil ainda não tem muitos adeptos do motorhome. Em todo o território nacional, existem cadastrados menos de quatro mil proprietários, segundo dados da Associação Brasileira de Campistas. Trata-se de um número pouco relevante, se comparado ao dos Estados Unidos, onde a proporção é um motorhome para cada doze famílias. Nas redes sociais, há diversos grupos de campistas e caravanistas que trocam experiências e fazem combinações para uma próxima aventura.

Como legalizar um motorhome

Legalizar um motorhome é bem mais fácil do que se imagina. É possível que a própria fábrica/montadora se responsabilize pelo procedimento necessário para a mudança no modelo do veículo. O proprietário precisa apenas ir ao Detran local. De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro, é possível dirigir um motorhome portando carteira de habilitação B, para veículos de até seis toneladas.
Geralmente, os motorhomes são elaborados em chassis de ônibus, caminhões ou vans. As montadoras autorizadas customizam tudo, da porta de entrada aos eletrodomésticos mais comuns, como micro-ondas, fogão, geladeira, TV e ar condicionado, seguindo um projeto arquitetônico e de decoração.

Todo o espaço é milimetricamente aproveitado. No Brasil, há algumas fábricas que fazem uma estrutura dobrável, como se fosse uma barraca de camping. Os custos das adaptações vão de R$ 50 mil a R$ 600 mil, dependendo da vontade e das possibilidades de investimento do cliente.

FONTE: https://extra.globo.com/projetos-especiais/de-carona-com-elas/viajar-em-um-motorhome-ser-acolhido-em-qualquer-lugar-do-mundo-21867777.html

PEDÁGIOS ELETRÔNICOS E COBRANÇAS INDEVIDAS: TRAILERS E MOTOR HOMES ATINGIDOS

PEDAGIO FOTO 1

Com a comodidade dos TAGs de passagem eletrônica de pedágios, muitos campistas aderiram ao serviço. Evitando filas e de se trocar dinheiro vivo a cada uma das milhares de praças de pedágios que crescem a cada dia nas rodovias do Brasil, o motorista topa pagar uma taxa a mais pela facilidade. Porém para campistas que rebocam carretas, trailers e até automóveis no cambão através dos motor homes estão tendo problemas.

O motivo é muito simples. A categorização dos veículos acontece de maneira eletronicamente “intuitiva” onde muitas vezes acaba por lesar o consumidor.

No caso dos trailers, há vezes que a cobrança é feita de forma errrônea. Quando na realidade um trailer de um eixo deveria pagar apenas 50% a mais que o valor comum do automóvel, muitas vezes é cobrado o dobro ou mesmo o triplo, já que algumas praças consideram aqueles eixos como “comerciais”.

Basicamente os automóveis de passeio pagam a metade do valor por eixo no pedágio por se enquadrarem na categoria “particular”. Acontece que o sistema de pedágios não classifica o veículo como “comercial” ou “particular” pela sua real condição, mas sim pela sua tipificação. Desta forma, automóveis, utilitários, picapes e vans são tachados como veículos de “passeio” e cada eixo de rodagem simples a mais no reboque, conta como mais 50% do valor.

Já os camihões e ônibus são qualificados como “comerciais” geralmente cobrados no mesmo valor do carro de passeio para CADA eixo denominado “comercial”. O mesmo acontece com Vans e caminhonetes com rodado duplo traseiro (Duas rodas juntas). Porém este cenário já está mudando, onde algumas praças de pedágio já estão considerando até mesmo o diâmetro do aro da roda do veículo, onde alguns jipes com rodas grandes já estão sendo tachados como comerciais.

No caso dos motor homes rebocando carros de passeio ou até carretas a coisa fica mais séria. Isto porque quando o correto seria cobrar por um veículo comercial + um veículo de passeio, o sistema acusa a presença de 4 eixos comerciais, aumentando a taxa do carro no dobro de seu valor. Este caso citado acontece não somente nos sistemas eletrônicos, como nas próprias cabines onde algumas discussões são travadas. Há quem relate que se deu ao trabalho de desengatar o comboio em plena praça de pedágio na frente da cabine para que tal cobrança fosse realizada de forma justa.

No caso das empresas de pedágio automático, há um caminho bastante justo do ponto de vista de direitos do consumidor. É que quando você contrata uma empresa para lhe prestar um serviço, esta deve responder por todas as questões técnicas e financeiras das transações junto à concessionária. Portanto é de justo direito do campista requerer, com base no artigo 42 do código de Defesa do Consumidor, o DOBRO do valor cobrado indevidamente.

Certamente a maioria das empresas hoje no mercado irá se negar a devolver em dobro, pois alegará que a cobrança é feita pela concessionária e eles somente seriam intermediadores. Mas é errado. Segunda a própria fundação PROCON o consumidor tem direito SIM à devolução, já que contratou e paga (mensalmente ou por recarga) pelo serviço. Nesta relação, os erros praticados pela concessionária deverão ser tratados entre as duas empresas.

PEDAGIO FOTO 2

O Portal MaCamp, defendendo os direitos doa consumidores campistas, aconselha primeiramente entrar em contato com a empresa já dotado da argumentação sobre o artigo 42 do CDC e do seu direito de devolução do valor pago indevidamente EM DOBRO. Caso a resposta seja negativa, abra uma reclamação em sites próprios como o RECLAMEAQUI para tornar seu caso público e ao mesmo tempo, entre no PROCON de seu Estado com uma reclamação. Os Procons hoje permitem aberturas de reclamações de formas simples e rápidas, bastando preencher um formulário baixado na internet e enviado pelos correios. (Endereço: As reclamações devem ser remetidas para a Caixa Postal 1151, CEP 01031-970-SP)

“SE O PROBLEMA FOR RECORRENTE, NÃO ACEITE DESCULPAS DA EMPRESA. ELA É RESPONSÁVEL POR COBRAR DEVIDAMENTE OS USUÁRIOS. PEÇA O DOBRO DO VALOR COBRADO A MAIS DE VOLTA.”

PEDAGIO FOTO 3

Vale lembrar que o ART. 42 do CDC fala em “Dobro do valor pago indevidamente”, ou seja, são dois os pontos que se deve prestar atenção:

1- O Valor principal se trata apenas da DIFERENÇA cobrada a mais e aí sim deverá ser multiplicada por dois.

2- O valor indevido somente terá que ser devolvido EM DOBRO se tiver sido PAGO, ou seja, caso a cobrança acuse erros, mas a fatura não tenha sido paga, apenas deverá ser corrigido o valor para a devida quitação.

Seguindo na linha do “pedágio eletrônico”, hoje contamos com diversas empresas no mercado que possuem ótimos planos que se encaixam em diferentes perfis. Portanto estude bem cada um deles, já que as taxas cobradas por este tipo de serviço são muito altas para o que representam na prática. Devemos lembrar que a cada centena de veículos que passam pelas cancelas automáticas, as concessionárias economizam muito com salários de cobradores, manuseio e trocos de dinheiro, além de muitos outros quesitos.

Não importa se o valor é pequeno. Corra atrás de seus direitos, pois se todos o fizerem, as empresas irão investir em qualidade e cobranças justas.

FONTE: http://macamp.com.br/pedagios_eletronicos_e_cobrancas_indevidas_trailers_e_motor_homes_atingidos_/

 

A TOCA também já falou sobre assunto na matéria abaixo, confira!

http://www.tocaes.com/?p=1715