VIAJAR EM UM MOTORHOME É SER ACOLHIDO EM QUALQUER LUGAR DO MUNDO

VIAGEM PELO MUNDO MOTORHOME 2

Ela sempre gostou de viajar. Se fosse para viver suas aventuras em acampamentos, melhor ainda. Por muitos anos, esse foi seu hobby preferido. Ao tornar-se budista, a jornalista Nadja Sampaio passou a ter novos propósitos com suas viagens. Junto disso veio o desejo de, além de uma simples barraca, passar a viver ao volante essas suas experiências aventureiras com mais independência e segurança. No ano de 2001 ela fez adaptações em uma Kombi para poder viajar e dormir a bordo do veículo. E assim teve início sua vida sobre rodas. No entanto, foi em 2013 que Nadja realizou seu grande sonho: comprou uma caminhonete e, ao levar cama, sofá e fogão para dentro dela, transformou o veículo em uma casa. Ou melhor, em um motorhome. E foi como se tivesse obtido um passaporte para a felicidade.

– Eu viajo em busca da reflexão. Sempre tenho como foco participar de alguma reunião do budismo, onde quer que eu esteja. Quando não é possível, sigo praticando e ensinando meu mantra, com o objetivo de levar felicidade às pessoas. Algumas já seguem ou passam a seguir, e então acabo mantendo contato com elas depois. Mais do que qualquer outra coisa, é isso que me move a fazer essas viagens.

VIAGEM PELO MUNDO MOTORHOME

Neste momento as irmãs Nadja e Lola estão em mais uma aventura, pela América do Sul. O desapego é um dos mais importantes ensinamentos budistas. Quando passou a assimilar totalmente as crenças e práticas da religião, Nadja mudou muito sua vida, o que coincidiu com o início das viagens em seu motorhome. Nesse tempo, ela ainda tomou a decisão de dividir fisicamente seu apartamento no Rio em dois, e alugar boa parte dele.

– Fiz uma entrada independente para a área de serviço que, junto com o quarto auxiliar, passou a ser a minha casa. Na realidade, eu escolhi viver fixamente em um lugar bem menor do que meu motorhome – esclarece a jornalista.

Já adaptado e regularizado junto aos órgãos oficiais, o motorhome fica guardado dentro de um estacionamento, quando não está rodando com sua dona, em uma das quatro viagens anuais que faz. Para Nadja, o custo de manutenção do veículo não é baixo, mas ela garante que muitas vezes fica bem mais em conta do que viajar de avião, por exemplo:

– Hoje, com seis mil reais, dá para fazer uma bela viagem de carro pela América do Sul por 1(um) mês, com tudo incluído. Se fosse de avião, certamente gastaria mais, porque além da passagem teria que pagar hospedagem e alimentação em restaurantes. No motorhome consigo, se eu quiser, fazer minhas refeições como se estivesse em casa.
Estar a bordo de um motorhome permite paradas e estadias em paisagens surpreendentes Foto: Arquivo pessoalAo longo dessas quase duas décadas de experiência na estrada, Nadja revela que o mais importante é ter disposição para ultrapassar alguns obstáculos.

– Viajar de motorhome não é nenhum problema, mas precisa ter disposição para enfrentar quase tudo, e até mesmo algumas vezes dormir na rua. Não tenho medo e nada de grave aconteceu comigo até hoje. Nunca fui assediada nas estradas ou me senti ameaçada por algo violento. Pelo contrário, no Brasil, há postos de combustíveis com infraestrutura para atender aos viajantes. A bomba para abastecer e a altura do telhado do posto dão total segurança aos veículos mais altos.

Há quase 17 anos sentindo o vento entrar pela janela do motorhome, Nadja acumula em seu currículo, passagens por dezenas de cidades do Nordeste e Sul do Brasil, além da experiência em dirigir até o Ushuaia, na Argentina. Apesar de já ter contado com a companhia das filhas e de amigos, ela afirma que seu maior desafio sempre foi encontrar pessoas que quisessem ou pudessem viajar com ela por períodos mais longos. Foi assim, até conseguir trazer sua irmã Lola, de Feira de Santana, na Bahia, para acompanhá-la nessas aventuras. Nadja acabou de sair com ela do Rio, onde as duas moram atualmente, rumo a países da América do Sul, como Paraguai, Chile, Argentina e Uruguai. O trajeto está totalmente traçado e o objetivo é retornar ao Brasil somente em dezembro.

– Minha irmã, que é artesã, se adaptou tão bem ao motorhome que agora até pretende morar em uma Kombi, para que nada mais a prenda e assim consiga viajar e ao mesmo tempo vender suas peças por onde passar. Acho que fiz uma discípula nessa história, diverte-se Nadja.

Com tanta experiência,ela conta que o segredo para uma viagem bem-sucedida é ter planejamento. E, claro, estar bem assessorada em relação a assuntos que não conheça bem. Por isso ela se tornou sócia da Associação Nacional de Campistas, uma organização voltada para defender os interesses dos campistas e caravanistas.

– Antes de qualquer coisa, escolho qual vai ser o ponto final da viagem. A partir daí, vejo mapas, traço rotas, calculo os custos que terei com combustível, faço uma vistoria geral no meu motorhome e aí, sim, pego a estrada. Como sou muito organizada, anoto tudo em uma planilha para não ter problemas depois. A viagem tem que ser prazerosa, porém controlada, e assim não acabar virando um pesadelo.

Apesar de carregar tanta beleza natural e uma cultura tão diversificada, o Brasil ainda não tem muitos adeptos do motorhome. Em todo o território nacional, existem cadastrados menos de quatro mil proprietários, segundo dados da Associação Brasileira de Campistas. Trata-se de um número pouco relevante, se comparado ao dos Estados Unidos, onde a proporção é um motorhome para cada doze famílias. Nas redes sociais, há diversos grupos de campistas e caravanistas que trocam experiências e fazem combinações para uma próxima aventura.

Como legalizar um motorhome

Legalizar um motorhome é bem mais fácil do que se imagina. É possível que a própria fábrica/montadora se responsabilize pelo procedimento necessário para a mudança no modelo do veículo. O proprietário precisa apenas ir ao Detran local. De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro, é possível dirigir um motorhome portando carteira de habilitação B, para veículos de até seis toneladas.
Geralmente, os motorhomes são elaborados em chassis de ônibus, caminhões ou vans. As montadoras autorizadas customizam tudo, da porta de entrada aos eletrodomésticos mais comuns, como micro-ondas, fogão, geladeira, TV e ar condicionado, seguindo um projeto arquitetônico e de decoração.

Todo o espaço é milimetricamente aproveitado. No Brasil, há algumas fábricas que fazem uma estrutura dobrável, como se fosse uma barraca de camping. Os custos das adaptações vão de R$ 50 mil a R$ 600 mil, dependendo da vontade e das possibilidades de investimento do cliente.

FONTE: https://extra.globo.com/projetos-especiais/de-carona-com-elas/viajar-em-um-motorhome-ser-acolhido-em-qualquer-lugar-do-mundo-21867777.html

PEDÁGIOS ELETRÔNICOS E COBRANÇAS INDEVIDAS: TRAILERS E MOTOR HOMES ATINGIDOS

PEDAGIO FOTO 1

Com a comodidade dos TAGs de passagem eletrônica de pedágios, muitos campistas aderiram ao serviço. Evitando filas e de se trocar dinheiro vivo a cada uma das milhares de praças de pedágios que crescem a cada dia nas rodovias do Brasil, o motorista topa pagar uma taxa a mais pela facilidade. Porém para campistas que rebocam carretas, trailers e até automóveis no cambão através dos motor homes estão tendo problemas.

O motivo é muito simples. A categorização dos veículos acontece de maneira eletronicamente “intuitiva” onde muitas vezes acaba por lesar o consumidor.

No caso dos trailers, há vezes que a cobrança é feita de forma errrônea. Quando na realidade um trailer de um eixo deveria pagar apenas 50% a mais que o valor comum do automóvel, muitas vezes é cobrado o dobro ou mesmo o triplo, já que algumas praças consideram aqueles eixos como “comerciais”.

Basicamente os automóveis de passeio pagam a metade do valor por eixo no pedágio por se enquadrarem na categoria “particular”. Acontece que o sistema de pedágios não classifica o veículo como “comercial” ou “particular” pela sua real condição, mas sim pela sua tipificação. Desta forma, automóveis, utilitários, picapes e vans são tachados como veículos de “passeio” e cada eixo de rodagem simples a mais no reboque, conta como mais 50% do valor.

Já os camihões e ônibus são qualificados como “comerciais” geralmente cobrados no mesmo valor do carro de passeio para CADA eixo denominado “comercial”. O mesmo acontece com Vans e caminhonetes com rodado duplo traseiro (Duas rodas juntas). Porém este cenário já está mudando, onde algumas praças de pedágio já estão considerando até mesmo o diâmetro do aro da roda do veículo, onde alguns jipes com rodas grandes já estão sendo tachados como comerciais.

No caso dos motor homes rebocando carros de passeio ou até carretas a coisa fica mais séria. Isto porque quando o correto seria cobrar por um veículo comercial + um veículo de passeio, o sistema acusa a presença de 4 eixos comerciais, aumentando a taxa do carro no dobro de seu valor. Este caso citado acontece não somente nos sistemas eletrônicos, como nas próprias cabines onde algumas discussões são travadas. Há quem relate que se deu ao trabalho de desengatar o comboio em plena praça de pedágio na frente da cabine para que tal cobrança fosse realizada de forma justa.

No caso das empresas de pedágio automático, há um caminho bastante justo do ponto de vista de direitos do consumidor. É que quando você contrata uma empresa para lhe prestar um serviço, esta deve responder por todas as questões técnicas e financeiras das transações junto à concessionária. Portanto é de justo direito do campista requerer, com base no artigo 42 do código de Defesa do Consumidor, o DOBRO do valor cobrado indevidamente.

Certamente a maioria das empresas hoje no mercado irá se negar a devolver em dobro, pois alegará que a cobrança é feita pela concessionária e eles somente seriam intermediadores. Mas é errado. Segunda a própria fundação PROCON o consumidor tem direito SIM à devolução, já que contratou e paga (mensalmente ou por recarga) pelo serviço. Nesta relação, os erros praticados pela concessionária deverão ser tratados entre as duas empresas.

PEDAGIO FOTO 2

O Portal MaCamp, defendendo os direitos doa consumidores campistas, aconselha primeiramente entrar em contato com a empresa já dotado da argumentação sobre o artigo 42 do CDC e do seu direito de devolução do valor pago indevidamente EM DOBRO. Caso a resposta seja negativa, abra uma reclamação em sites próprios como o RECLAMEAQUI para tornar seu caso público e ao mesmo tempo, entre no PROCON de seu Estado com uma reclamação. Os Procons hoje permitem aberturas de reclamações de formas simples e rápidas, bastando preencher um formulário baixado na internet e enviado pelos correios. (Endereço: As reclamações devem ser remetidas para a Caixa Postal 1151, CEP 01031-970-SP)

“SE O PROBLEMA FOR RECORRENTE, NÃO ACEITE DESCULPAS DA EMPRESA. ELA É RESPONSÁVEL POR COBRAR DEVIDAMENTE OS USUÁRIOS. PEÇA O DOBRO DO VALOR COBRADO A MAIS DE VOLTA.”

PEDAGIO FOTO 3

Vale lembrar que o ART. 42 do CDC fala em “Dobro do valor pago indevidamente”, ou seja, são dois os pontos que se deve prestar atenção:

1- O Valor principal se trata apenas da DIFERENÇA cobrada a mais e aí sim deverá ser multiplicada por dois.

2- O valor indevido somente terá que ser devolvido EM DOBRO se tiver sido PAGO, ou seja, caso a cobrança acuse erros, mas a fatura não tenha sido paga, apenas deverá ser corrigido o valor para a devida quitação.

Seguindo na linha do “pedágio eletrônico”, hoje contamos com diversas empresas no mercado que possuem ótimos planos que se encaixam em diferentes perfis. Portanto estude bem cada um deles, já que as taxas cobradas por este tipo de serviço são muito altas para o que representam na prática. Devemos lembrar que a cada centena de veículos que passam pelas cancelas automáticas, as concessionárias economizam muito com salários de cobradores, manuseio e trocos de dinheiro, além de muitos outros quesitos.

Não importa se o valor é pequeno. Corra atrás de seus direitos, pois se todos o fizerem, as empresas irão investir em qualidade e cobranças justas.

FONTE: http://macamp.com.br/pedagios_eletronicos_e_cobrancas_indevidas_trailers_e_motor_homes_atingidos_/

 

A TOCA também já falou sobre assunto na matéria abaixo, confira!

http://www.tocaes.com/?p=1715

MOTOR TRAILER VISITA FEIRA DE RV`S EM DUSSELDORF – ALEMANHA

A Motor Trailer do Brasil está constantemente empenhada em modernizar seus produtos e anualmente visita feiras e exposições de veículos de recreação. O mercado Europeu é um dos mais fortes do mundo no setor do caravanismo e possui o perfil da nova tendência brasileira na fabricação principalmente de motor homes que buscam ser compactos e completos. A busca por referências externas e consolidadas é de suma importância para o desenvolvimento de qualquer tipo de projeto. Marcius Pinto Matheus, um dos diretores da empresa, fez pessoalmente uma série de videos de apresentação de cada um dos quatro dias da Caravan Salon in Düsseldorf.

FOTO 1 FOTO 2

Assim como já aconteceu há muitas décadas na Europa, o Brasil avança para o caminho dos motor homes que garantam o conforto dos campistas, mas que não representem uma grande dificuldade na hora de circular e estacionar. Parece que a era dos “gigantes” está passando e dando lugar às famílias que buscam, além do conforto, chegar a qualquer lugar e buscar na natureza o seu verdadeiro quintal.

A Feira de Dusseldorf: A maior feira de veívulos de recreação da Europa que acontece na Alemanha – país que possui o mercado mais forte de trailers e motor homes do continente. São montadoras, fabricantes, projetos, soluções, ideias construtivas, técnicas inovadoras e equipamentos e eletrodomésticos especialmente projetados para fazerem parte dos RV`s. Afinal quem já pensou em uma geladeira com pouco mais de 40cm de largura senão para um motor home? Pois compacidade não quer dizer falta de luxo. Definitivamente não. São verdadeiros palacetes com cerca de 8m² onde não faltam ambientes internos. Divididos em alas diferentes para trailers e motor homes, cada marca apresenta ambos os mundos que só são “melhores”ou “piores” para cada perfil caravanista.

FOTO 3

Banheiro conjugado com box: O brasileiro se acostumou com o famoso “box separado” nos trailers e motor homes nacionais o que tornou quase que pré-requisito para a escolha da maioria dos caravanistas, mais ainda depois que os trailers acabaram encostados em campings – os famosos “rodas-quadrada”. Na Europa o conceito do box é completamente inverso, já que tal ambiente acaba ocioso quase que a totalidade do tempo. Para um casal, por exemplo, meio metro quadrado é perdido para um uso de no máximo 20 minutos por dia, sendo que cada vez mais os banheiros conjugados possuem soluções para que o preparo do ambiente após o banho se torna cada vez menos trabalhoso.

FOTO 4

Equipamentos específicos: Uma grande vantagem do mercado de veículos de recreação europeus está nos equipamentos, acessórios e eletrodomésticos projetados e fabricados especialmente para este fim. São tamanhos e materiais pensados para ocupar bem os espaços internos e principalmente resistirem embarcados. São pias com tampas, torneiras que dobram e poupam água, geladeiras 12V e a gás, fogões e fornos que não necessitam da desmontagem de bocas e grades e que respondem bem aos solavancos e movimentos na estrada.

FOTO 5 FOTO 6

No primeiro dia da feira Marcius demonstrou a realidade dos fatos que expusemos acima. Elementos que o Brasil deve se espelhar para o momento em que todo o nosso potencial será finalmente alcançado em terras tupiniquins.

https://youtu.be/Bfp5JJHgSTQ

No segundo dia de feira Marcius mostrou alguns RV`s preparados ou com instalações especiais para animais, além do famoso Motor Home montado pela própria FIAT em parceria com uma encarroçadora. São as grandes montadoras olhando com afinco para um mercado que no Brasil é potencialmente promissor. Também mostrou um motor home tipo furgão com teto pop up, que aumenta a altura interna quando acampado e que ainda pode abrigar uma segunda cama. Mas não é só de compactos que vive o mercado Europeu. Apesar de ser mais raro, uma ala só dos “gigantes” podia ser visitada na Feira. Mais novidades ficaram a cargo dos RV`s 4×4. Interessante que os preços convertidos para o Brasil não são tão baratos como podemos achar. Motor Home grande a R$ 1.500.000,00, um compacto 4×4 por R$ 830.000,00 e um trailer a R$ 260.000,00.

FOTO 7
https://youtu.be/gjNyHml4-xw

No terceiro dia o video apresenta um assunto muito importante para o mercado brasileiro. Assim como está ocorrendo no Brasil, o perfil médio dos usuários está diminuindo a idade da aquisição. Atualmente existem 1 milhão de RV`s rodando na Europa sendo 60% Trailers e 40% motor homes. Só na Alemanha são fabricados 60 mil RV`s por ano e em toda a Europa somam-se 200 mil. O Video começa com o resultado de um bate papo que rolou com representantes Europeus.

Muitos trailers foram mostrados, inclusive da fábrica Knaus, que teve grande participação na história do trailismo brasileiro. Também haviam mini trailers com barracas de teto e trailers anfíbios.

https://youtu.be/OcVEBDvhUUc

O Quarto e último video mostra mais algumas opções de furgão, além da área de fabricantes de peças e equipamentos para RV`s. É de deixar qualquer um louco. Na parte externa da feira, havia opções de entretenimento, alimentação e também das casas pré fabricadas que também podem ser transportadas.

https://youtu.be/kJN_Lh253wM

Nesta série de videos, a Motor Trailer levou até os campistas do Brasil uma chance de conhecerem virtualmente o que é a maior feira de RV`s do mundo. São milhares de metros quadrados dedicados a um nicho do turismo muito forte na Europa e principalmente na Alemanha. Lá o caravanismo não é sinônimo de “lazer para poucos” e o campismo não é tido como uma “forma barata de se viajar”. A cultura por fazer turismo levando sua própria casa também garante uma diversas formas de desenvolvimento econômico. Diversas cidades ou eventos podem ser produzidos sem que ali exista uma estrutura de hotéis ou leitos fixos, além de garantir ao turista uma enorme liberdade de escolha. Parabéns à Motor Trailer por compartilhar suas experiências com os campistas do Brasil.

FOTO 8 FOTO 9 FOTO 10 FOTO 11 FOTO 12 FOTO 13 FOTO 14 FOTO 15 FOTO 16 FOTO 17 FOTO 18 FOTO 19

FONTE: http://macamp.com.br/motor-trailer-visita-feira-de-rvs-em-dusseldorf-alemanha/

POUSADA CARMINA EM BRUMADINHO/MG

POUSADA BRUMADINHO 6 POUSADA BRUMADINHO 5 POUSADA BRUMADINHO 4 POUSADA BRUMADINHO 3 POUSADA BRUMADINHO 2 POUSADA BRUMADINHO 1

A Pousada Carmina fica em Brumadinho/MG, onde estacionamos para ir a Inhotim. Excelente local na entrada da cidade.

Após uma conversa com a proprietária, Dona Luiza, nos foi informado que serão instalados pontos de luz e água para motorhomes em uma área plana que está em uma das fotos.

Coordenadas da entrada da Pousada D. Carmina:

S 20gr 7.739′

W 44gr 11.923′

Colaboração: Luiz Antônio – motortrailer@motortrailer.com.br

REVIEW: LINK 4G ELSYS

Por mais que desejemos estar longe das tecnologias quando buscamos a natureza e a paz, a internet acaba sendo algo necessário para obrigações de trabalho, possíveis emergências ou até mesmo para breves comunicações. Dentro deste bolo podem entrar também aqueles que não resistem em ficar longe das redes sociais e das rodas virtuais de amizades. Para os que sentem a real dificuldade de conseguir sinal nos destinos mais distantes, testamos o Link 4G de internet móvel. A Elsys – empresa fabricante – confiou no nosso know how para oferecer o seu modelo para testarmos nos ambientes campistas. Vamos a ele.

Não importa se a pessoa acampa de barraca, de trailer ou motor home. O link pode ser utilizado em qualquer modalidade. Foi desenvolvido para casas, sítios e locais onde o sinal de celular passa longe do razoável. Ele é leve e, por incrível que pareça, bem fácil de usar. Nosso teste se deu em nosso trailer em um camping na área rural de Campos do Jordão-SP, bem conhecido pelos seus frequentadores pela quase inexistência de sinal de celular e dados.

O que mais nos chamou a atenção no link foi ele trabalhar em 12V (que é a voltagem das baterias de carros e RV`s) e também por aceitar o mesmo chip do celular ou de internet móveis (os chamados boxes). Além disso é um aparelho que pode ficar instalado de forma fixa nos trailers e motor homes para uso nas viagens.

ELSYS 1Link 4G Elsys. | Foto: Marcos Pivari – MaCamp

Ele foi projetado para ser instalado em telhados e por isso é resistente a chuvas, vento e insolação. Mas não para chuvas durante deslocamentos no veículo em alta velocidade. Por isso, para fazermos um bom uso desta tecnologia precisaríamos de algo que solucionasse este problema. A salvação da lavoura foi a sua conexão para uma antena externa de ganho. Apesar de ser adquirida separadamente, poderíamos instalá-la no teto do trailer enquanto o aparelho do link pudesse ser instalado e acomodado em algum ligar fixo no interior da “casa”. Restava saber se iria funcionar bem.

ELSYS 2Antena externa no teto do trailer.. | Foto: Marcos Pivari – MaCamp

Como além deste produto, a Elsys também fez questão de nos enviar seu modelo de telefone rural que já possui a antena externa, nem precisamos adquirir uma a parte. Não só as conexões e os cabos são os mesmos, como também a antena é a mesma para ambos. (breve o review do telefone)

ELSYS 3Antena que acompanhou o telefone rural (Também é vendida separadamente). | Foto: Marcos Pivari – MaCamp

Primeiro passo foi fazer uma instalação provisória da antena de cor azul no teto do trailer. Apesar de ser metálica, a antena é bem leve e parece ser bem resistente. Ela vem com um kit de presilhas e parafusos para ser instalada em algum mastro e possui em seu corpo uma conexão de rosca aonde acopla o cabo coaxial que acompanha o produto.

Posicionada a antena direcional e passado o cabo para dentro do trailer, agora era hora de desvendar o brinquedo principal. Uma tampa na base inferior da caixinha revela um painel bastante completo, cheio de botões, conexões e até display. Sentimos a falta do plug de entrada de energia – já preocupados com a futura ligação direta da bateria para dispensar o adaptador AC que acompanha o produto. É que um caravanista sempre deseja poder usar seus apetrechos na estrada sem que seja necessária uma tomada externa. A surpresa estava no pequeno splitter que recebe a alimentação 12VdC e alimenta o link através do próprio cabo de rede com terminais RJ-45. Engenharia perfeita para dispensar a necessidade de se levar dois cabos até o “telhado”. Conectado este splitter no link, além do plug de energia, sobra mais uma saída RJ-45 que será exatamente a fonte dos dados de internet que o aparelho fornecerá.

Uma falta que sentimos neste modelo seria um roteador interno que distribuísse já em wi-fi esta internet captada, mas podemos entender que nas instalações em residências, o aparelho estaria longe dos usuários e por isso deve ser utilizado um roteador separado, caso não se deseje utilizar aquela internet direto pelo cabo de rede do computador. Também é razoável dizer que o link 4G Elsys é um Modem de internet e não um Acess Point, roteador ou repetidor de wi-fi.

Conectados os cabos de dados, era hora de conectar também a outra ponta do cabo da antena externa. Este também é de rosca, de tamanho um tanto menor da parte externa. Uma lida rápida no Manual de instruções e passamos logo para as operações práticas.

É interessante dizer que o Link 4G de Elsys promete trabalhar com todas as operadoras de forma desbloqueada e também em todas as bandas de frequência conhecidas delas. Prova disso é que ao ligar o aparelho e teclando o botão de instalação (instala fácil) ele já busca o sinal de todas as operadoras existentes na região e mostra de forma alternada no display a intensidade de sinal de cada uma. Para isto funcionar é preciso que o dock do chip esteja vazio. Esta função ajuda aquelas pessoas que possuem mais de um chip de operadora para poder escolher a melhor.

Depois de escolhida a operadora, basta inserir o chip no local indicado (SIM CARD) e acompanhar seu desempenho de sinal pelo display para, aí sim, mover e direcionar a antena externa para a melhor posição. Quando se utiliza o próprio link como antena, basta acoplar o defletor que refletirá os sinais que chega na parte traseira e assim aumentar o seu ganho. Mesmo assim deverá ser girado atrás do melhor fluxo de intensidade de sinal. A vantagem de se utilizar a antena externa e o link dentro do RV é exatamente esta facilidade de operação de chips e painéis, já que a cada novo destino uma nova varredura deverá ser feita e uma nova internet buscada.

Ainda é tempo de citar que há um botão específico para alternar o uso das antenas externa e interna, mantendo sempre pressionado o botão para esta mudança.

ELSYS 7Defletor. | Foto: Marcos Pivari – MaCamp

Não é só de 4G que opera o link. Caso esta não exista naquela ocasião, ele poderá conectar em 3G, 2G e GPRS, sendo que esta informação também será indicada no display. Para o 4G há um LED específico no painel.

OS TESTES

Nosso cenário no camping de Campos do Jordão favorece esta avaliação. Isto porque nossos celulares se revelam um verdadeiro desastre tanto no quesito “sinal de dados” como também “sinal de celular”. Podemos adiantar que foi uma grata surpresa quando fizemos nossa primeira conexão via PC. A internet baixou muito mais rápido do que estávamos acostumados. É claro que muito longe da qualidade de uma banda larga residencial urbana, mas muito superior à modalidade “móvel” usada até então. Na verdade praticamente não conseguíamos navegar roteados pelo aparelho do celular. Não foi possível a conexão em 4G naquele local testado, assim como nunca chegamos a ver esta tecnologia pelos aparelhos celulares no camping de Campos do Jordão. É bem possível que nem exista naquela região afastada.

ELSYS 4Painel de operação. | Foto: Marcos Pivari – MaCamp

No momento dos testes, o melhor sinal ficava a cargo da Claro, mas esta não possuíamos chip. Nossas opções eram a TIM e a Nextel (que utiliza as torres da VIVO). No camping, dentre essas duas, a VIVO era a melhor opção no medidor. Após o chip inserido, a função do botão de instalação oferece um monitor também audível para que se possa ajudar na tarefa do apontamento da antena (ou do próprio link). Depois disso é só usufruir dos dados que chegam através do cabo de rede. Na ocasião deste teste, utilizamos o link plugado diretamente no PC, mas já iremos providenciar um mini roteador wi-fi para integrar nossa nova central de dados do trailer.

ELSYS 8Link instalado no teto do Trailer, junto às demais antenas. | Foto: Marcos Pivari – MaCamp

A Elsys promete em suas especificações até 400x “mais sinal” e 6x “mais alcance”. Esta marca é difícil de ser medida e mesmo assim dependeria do lugar em que o aparelho estaria operando, mas o resultado em nosso primeiro destino foi muito satisfatório e positivo. Não podemos deixar de frisar que nossa missão neste review é de uma análise não técnica sobre um produto que exige testes precisos e comparações que somente técnicos especializados poderiam medir.

ELSYS 9Link Instalado com defletor na lateral do trailer. | Foto: Marcos Pivari – MaCamp

Como melhorias, nossas sugestões viriam a ser pertinentes caso a Elsys desenvolvesse um produto específico para uso nos RV`s. Neste momento, seria ideal que o aparelho já viesse dotado de roteador interno e que tivesse inclusive uma função repetidora de wi-fi. Muitos campings possuem internet sem fio, porém quase sempre com sinal fraco na área das barracas e trailers. Este repetidor poderia fazer a mesma função de maximização de sinal local e melhor ainda se a antena externa também pudesse captá-los. Por fim, a caixa poderia ser menor e de disposição diferente com seus controles e displays frontais e de fácil acesso com fixação de parede. Enquanto o mercado campista brasileiro ainda não se apresenta viável para este tipo de investimento e desenvolvimento, o link 4G da Elsys cumpre muito bem esta tarefa.

ELSYS 10INFOGRÁFICO PRODUZIDO PELA ELSYS PARA DIVULGAÇÃO.

CARACTERÍSTICAS (apuradas): Peso da embalagem: 1,242kg; Peso do link (sem defletor): 503g; Peso do link com defletor: 929g; Medidas (só link): 15 x 22,5 x 8 (LAP em cm); Medidas (link com defletor): 28 x 22,5 x 8 (LAP em cm).

CARACTERÍSTICAS (fornecidas): Conexão de Internet de longo alcance 2G/3G/4G com antena hexaband integrada; Desbloqueado – Aceita Chip (micro) de todas as operadoras*; Instala Fácil: Busca Cega das redes celulares sem a necessidade do chip* (Permite verificar a melhor operadora antes de contratar um plano). Localizador de melhor sinal por dispositivo sonoro e visual; Plug & play – Dispensa a instalação de drivers e aplicativos; Página web para informações e configurações avançadas; Até 400x mais sinal do que um modem USB 4G/3G; Até 6x mais alcance do que um modem USB 4G/3G; • Velocidade de download de 50 Mbps*; Conexão Ethernet para PC/Notebook ou Roteador WiFi; Conector TNC fêmea (para antena externa opcional); Alimentação 12 VDC – Fácil conexão com baterias; Reset remoto no POE, para configuração de fábrica; Permite descida de apenas um cabo Ethernet (RJ45), até 100 metros*; Produto protegido contra raios UV e entrada de água e poeira; Instalação em mastro ou parede.

Preço: Na data deste review, era vendido no site oficial por R$ 539,10 com pagamento em até 10x sem juros + frete.

REVIEW – PRODUTO E LOCAL: Este equipamento foi enviado pela ELSYS que confiou no know-how do MaCamp para testar seus produtos na seção de Reviews. Os testes e fotos foram realizados em Campos do Jordão-SP.

FONTE: http://macamp.com.br/review-link-4g-elsys/